Login für registrierte Nutzer
Benutzer: Passwort:

Noch nicht bei KV registriert?
Jetzt registrieren!
KV ist kostenlos und werbefrei!

Neu bei uns:
blackdove (25.07.), Mercia (18.07.), Misanthrop (16.07.), Thomas-Wiefelhaus (12.07.), FliegendeWorte (04.07.), Buchstabensalat (04.07.), Lir (04.07.), Mondscheinsonate (02.07.), hanswerner (30.06.), Gehirnmaschine (29.06.), Jedermann (29.06.), Entscheidungsrausch (26.06.)...
Übersicht aller neuen Autoren und Leser
Wen suchst Du?

(mindestens drei Buchstaben)

Zur Zeit online:
KeinVerlag.de ist die Heimat von 604 Autoren* und 68 Lesern*. Was es sonst noch an Neuem gibt, steht hier.

(*Im Gegensatz zu allen anderen Literaturforen zählen wir nur die aktiven Mitglieder, da wir uns als Community verstehen und nicht als Archiv toter Texte. Würden wir alle Nutzer zählen, die sich seit Gründung hier angemeldet haben, und nur die abziehen, die sich selbst wieder abgemeldet haben oder rausgeworfen wurden, kämen wir auf 15.017 Mitglieder und 437.349 Texte. Musste auch mal gesagt werden.)

Genre des Tages, 06.08.2020:
Sozialdrama
Naturalistische Wiedergabe der Konflikte determinierter Personen in einer milieubestimmten Handlung.
... und was wir daraus machen:

Ziemlich neu:  Entdeckt werden von Terminator (28.07.20)
Recht lang:  35 von AvaLiam (2123 Worte)
Wenig kommentiert:  Gedanken zum Jahreswechsel von Wanderbursche (noch gar keine Kommentare)
Selten gelesen:  exit(us) am wandschrank, im bad, auf dem teppich und im schiefen bilderahmen mit den lächelnden menschen und dem wackligen nagel in der sandigen altbauwohnungswand von Lucifer_Yellow (nur 31 Aufrufe)
alle Sozialdramen
Lest doch mal ...einen Zufallstext!
Unser Buchtipp:

Ich liebe Dich ...
von kata
Projekte

keineRezension.de
KV woanders

keinVerlag.de auf Facebook
Eine Meinung: "Ich bin bei keinVerlag.de willkommen, weil es hier Träumer, Spinner und andere sonderbare Leute gibt, die nicht weniger seltsam sind als ich selbst" (TrekanBelluvitsh)
O cesto com pedrasInhaltsverzeichnisLisbo

Gato de corda

Geschichte zum Thema Kinder/ Kindheit


von Lisboeta

Nascido em bairro de lata, cabelos revoltos, quase negros, olhos de amêndoas-doces, castanhos, pele encardida cor do bairro, tez morena de cigano. Traquino, corria tudo. A mãe, encharcada em roupas sujas de oficina gritava o seu nome, mas ele voava no eco da voz materna, travesso.
Sem brinquedos, parava o corpo gaiato frente às montras, quando a mãe o levava à feira. Sonhava animais de corda. Ao chegar ao bairro, assustava toda a bichanada fugitiva das suas mãos: nos pobres gatos inventava brinquedos. Miavam pelos bigodes e pelas caudas. No entanto, não se revoltavam porque sentiam a mansidão da sua alma infantil. Os donos que viam tais cenas, acercavam-se e blasfemavam palavras indecentes, batiam-lhe, puxavam-lhe os caracóis, corriam-no a pontapé. Indefeso, limitava-se a sorrir porque não tinha feito mal algum. Olhavam então os seus olhos ingénuos dizendo-o descarado. Encolhia os ombros despreocupado e descia as ruas pedregosas saltitando, ora num pé, ora noutro.
O pai chegava tarde da oficina, noite alta. Com a doçura de uma pomba chegava-se ao homem taciturno, empedernido.
- Vai-te! Não me chateies!
Especado, olhar sorridente, meiguice no corpo, ficava olhando o pai... tão ao longe!...
- Deita-te! Merda de vida!
Obediente, enroscava-se na enxerga quase colada à dos pais. Antes de adormecer olhava, um a um, os buracos húmidos da barraca, as aranhas, que teciam lindos fios por todo o lado, e os bichinhos da humidade, passeando preguiçosos pelo chão. Para adormecer, inventava da cama um cavalo e em lengalenga começava a cantar:

Cavalo-cavalinho
rápido, rápido
leva-me à nuvem
quero ir alto...

- Porra! Não te podes calar? - interrompia o pai.
- Posso... - dizia baixinho.
- Então pára senão já sabes... - e mostrava o cinto preto que saía das calças.
Tentava adormecer. Olhava a mãe arrumando os poucos restos. Era tão bonita!... Tinha o cabelo comprido amarrado sem cuidado e sem tempo, embaraçado, cheio de riscos brancos, a cara sempre triste.
- Mãe, porque nunca ris? - perguntava quando ela lhe ia aconchegar o cobertor de buracos. No silêncio, a sua mão grossa e áspera acariciava-lhe a face.
Estava quase a dormir quando a enxerga dos pais começava a ranger - ouvia urros de macho enfurecido, ouvia ais lastimosos de resignação. Tapava os ouvidos e cantava só na cabeça:

Cavalo-cavalinho
rápido, rápido
leva-me à nuvem
quero ir alto
o vento me leva.

Cavalo-cavalinho
rápido, rápido
leva-me ao sol
quero ir alto
e sonhar
um sonho lindo...

Escassos cantaram os galos lá fora... A mãe levantou-se. Apressada, aqueceu o café de cevada diluído e cortou um naco de pão para o seu homem, que tragou tudo dum só golo. O filho viu-o ir, sentado na cama com olhar saudoso. A mãe voltaria tarde e cansada das lidas nas casas dos outros, como de costume. Sozinho entre a multidão do bairro sentia-se flutuar. Se quisesse descer até ao solo não conseguiria. Deixou os gatos em paz. Na azinhaga roubou uma laranja ao merceeiro. Coxo, trôpego, tentou correr até à rua e esganiçado rogou-lhe pragas. Ladino, fugiu a correr mais a laranja - se ele tinha tantas que falta fazia aquela? Sentou-se sob uma árvore cheia de sol, dentando o fruto sumarento. Passeou livre pelas ruas. Parava olhando os fatos bem parecidos que caminhavam a seu lado sem o verem.
- Dê-me um tostãozinho! . . .
O velhote sorriu-lhe. Acenando a cabeça acariciou-lhe os caracóis. Feliz, disse-lhe adeus, meteu as mãos nos bolsos e brincou com os buracos rasgando-os. Como não soubesse o que fazer, continuou a andar no sentido do velhote. Os semáforos ficaram vermelhos. Os carros chiaram. Os peões apressavam-se em todos os sentidos. Ao olhar para o lado, o velho viu o miúdo.
- Olá! Ainda aqui andas? À caça de tostões?! Mas olha que não te dou!...
- 'tá bem, tam'ém não quero!
- Então, para onde vais?
- Por aí!
- Os teus pais?
- Hum!... O Pai só volta à noite... e a Mãe tam'ém! Foram trabalhar...
- Quantos são vocês lá em casa?
- O Pai, a Mãe e eu.
- Onde vives?
- Pr'ali, sempre em frente, no sítio com casas feias.
- Porque pedes dinheiro às pessoas?
- P'ra comprar um gato de corda.
- Um gato de corda?!
- Sim! Lá pessoas têm gatos. Elas batem a eles e eles miam. Ós pois vêm bater a mim porque acho que eles têm corda e pego no rabo deles e rodo os bigodes. Eles miam. É a brincar, mas os homens e mulheres chamam-me diabrete e batem-me. Assim, quando eu tiver um gato de corda, nunca mais vão bater a mim!
- Queres um bolo?
- Não senhor!
- Não gostas?
- Gosto!
- Então porque não queres?
- Não gosto de pedir coisas às pessoas que conheço.
- Tu conheces-me?!
- Sim!
- Bem, mas tu pediste-me algum bolo?
- Não...
- Então anda daí!
E foram rua fora. Caminhavam silenciosos. De vez em quando saltitava nas pedras brancas e pretas da calçada e o homem sorria divertido, porque o miúdo mais parecia um pardalito. O garoto olhou para trás e para cima com as suas amêndoas-doces brilhantes e sorriu de manso... O velho aproximou-se, enrolou-lhe os caracóis e lá foram abraçados. Numa mercearia envelhecida comprou um pacote de bolos baratos, com as sobras da mensalidade da reforma. Andaram um pouco mais e sentaram-se no jardim. Lado a lado, dividiram os bolos.
- Senhor, a Mãe, às vezes vai à igreja e o padre fala coisas assim. . . de um Deus... e de um outro mau. O Pai bate-me, não sei porquê, mas a Mãe diz que ele é que sabe porque é grande e forte. Às vezes bate a ela tam'ém e ela chora. A mãe diz que eu sou mau porque puxo os bigodes aos gatos - mas é a brincar! Os outros rapazes às vezes são muito maus e eu bato a eles, depois, eu tenho mais força e as pessoas chamam-me diabo e diabrete. A mãe diz que o padre conta p'ra gente, lá naquela coisa, que as pessoas más vão com o Diabo p'ro Inferno e as boazinhas vão p'ro Céu. Ela diz que eu sou mau! Senhor, porqu'eu vou p'ro Inferno? Eu sou pequeno! Porqu'eu não posso brincar? Deus não brincava quando era pequenino?
- Filho - disse meigo o homem, pegando-lhe na mão - vou contar-te uma história:

"Deus era um homem grande e forte. Gostava muito de crianças e foi buscar todos os anjinhos bons e bonitos que conhecia. Gostava de ver as crianças a brincar, a correr, a pular, a gritar. Só que os anjinhos bons eram muito sossegados. Deus estava cansado de trabalhar o dia todo na sua nuvem. Quando descansava do trabalho ficava triste, porque todos os anjos-meninos ficavam parados à espera que ele passasse. Não falavam senão quando Deus lhes falava, não sorriam senão quando Deus lhes sorria, não brincavam para não fazer barulho à porta do Deus-pai. Então, ele começou a achar o Céu muito triste. Um dia foi bater à porta do Inferno:
- Diabo, guardas aqui meninos castigados pelos pais?
- Sim, mas porque vens aqui?
- Para que os queres cá?
- Para nada. Só que os puseram aqui, mas as crianças, mesmo as piores, são boas demais. Leva-mas!
Feliz, Deus-pai levou todos os diabretes ainda vestidos de vermelho para o seu reino. Escandalizados, os anjos e anjinhos, todos de branco, fugiam e benziam-se dizendo que era o fim. Deus ralhou-lhes por não amarem as crianças. Pegou nos diabretes ao colo e disse-lhes:
- Meus filhos, brinquem à vontade!
Os diabretes viviam felizes sem castigos. Corriam o dia todo, gritavam alegres, chilreavam tontices, batiam durante o dia à porta do Deus-pai: ele punha de lado os óculos, descansando neles a vista cansada, abria-lhes os braços e ficavam longo tempo a conversar. Saciados, deixavam-no em paz ou abraçavam-no quando ele estava triste.
A partir de então, o Céu passou a ser colorido. A chuva passou a ser mais doce, o vento mais meigo, o sol mais lindo. No firmamento os homens viam os arco-íris cruzando-se: eram os diabretes que inventavam brincadeiras de ilusão."

- Senhor, posso tratar-te por "tu"?
- Claro, filho!
- Como te chamas, Senhor?
- Manuel.
- Eu sou Paulo!
- Até amanhã, Paulo! Os teus pais devem estar a chegar.
- Adeus, até amanhã, Manuel! Amanhã contas-me outra história?
- Conto! Quando puderes vem ter comigo... logo que possas!
- 'tá bem!
Beijaram-se num abraço.

Paulo correu mais veloz do que nunca, calado para não irritar os pais, guardando no coração todo o açúcar das palavras para o seu querido velho Manuel...
No dia seguinte, assim que os pais saíram, correu azinhaga abaixo. No jardim, os cabelos brancos esperavam-no. Os olhares penetraram-se.
No colo do velho solitário a cor vermelha das rosetas infantis ouviam histórias fantásticas...
No chão, um gato de corda rodava sozinho. . .

24.04.1981
(24 anos)


Möchtest Du einen Kommentar abgeben?
Diesen Text kommentieren

O cesto com pedrasInhaltsverzeichnisLisbo
Lisboeta
Zur Autorenseite
Zum Aktivitäts-Index
Dies ist ein Text des mehrteiligen Textes Contos de Paz e de Violência.
Veröffentlicht am 11.12.2009, 5 mal überarbeitet (letzte Änderung am 16.03.2010). Textlänge: 1.480 Wörter; dieser Text wurde bereits 1.438 mal aufgerufen; der letzte Besucher war ein Gast am 09.07.2020.
Was meinst Du?
Diesen Text kommentieren
Schlagworte
gato corda gaiato travesso bairro Deus Diabo bolos mãe pai laranja semáforo jardim chão
Mehr über Lisboeta
Mehr von Lisboeta
Mail an Lisboeta
Blättern:
voriger Text
nächster Text
Weitere 1 neue Geschichten von Lisboeta:
O Mundo começa de novo
Mehr zum Thema "Kinder/ Kindheit" von Lisboeta:
Aus dem Nichts wurde Liebe Schönes Leben O que é o amor? Os pardalitos (mit schlechter Übersetzung) Adolescência Vive e deixa viver Filhos do Mundo Quase Infância
Was schreiben andere zum Thema "Kinder/ Kindheit"?
. der 9. Enkel . (kirchheimrunner) KINDER (regenfeechen) Faszination (regenfeechen) Im Tannenbusch (Februar) Gib das her jetzt (Give it away now) (DanceWith1Life) Novembersonne (FliegendeWorte) Wimpassing (Mondscheinsonate) Gestärktes (Mondscheinsonate) Kasernenkinder (eiskimo) Ablasshandel (Mondscheinsonate) und 468 weitere Texte.
Dieser Text ist höchstwahrscheinlich urheberrechtlich geschützt. mehr Infos dazu
diesen Text melden
© 2002-2020 keinVerlag.de   Impressum   Nutzungsbedingungen 
KV ist kein Verlag. Kapiert?
© 2002-2020 keinVerlag.de